Hábitos orais: proibir ou substituir?

Hábito é o resultado da repetição de um ato que traz prazer.

Definição simples,  solução complicada.

Os hábitos orais normalmente relacionados a sucção (dedos, chupeta, língua, lábios e etc.) são um pesadelo para as mães e odontopediatras.

Isso porque existe um grande conflito: qual o maior dano, os estragos gerados pelo hábito (como mordida aberta, por exemplo) ou os  danos psicológicos causados pela remoção do mesmo?

Outras questões usualmente levantadas são: até que idade o hábito pode ser removido sem causar danos permanentes? E o hábito, sempre causará algum tipo de prejuízo ao sistema estomatognático? O que é melhor, meu filho chorando ou o uso da chupeta?

Muitas questões e poucas respostas objetivas.

Remover o hábito de maneira abrupta ou pouco ortodoxas pode causar danos psicológicos permanentes, como substituição dele por tiques ou modificações de comportamento.

mamiloPor isso, uma solução relativamente simples, foi desenvolvida pela Dra. Gabriela D. de Carvalho, que é a substituição do hábito. Isso não significa substituir dedo por chupeta ou vice-versa, mas sim trocar o dedo por algo que a criança possa sugar, porém, sugar algo que corrija a postura da língua além de suprir a necessidade  neurológica de sucção.

Baseado nessa necessidade, foi criado o mamilo. Inspirado no aleitamento materno, este acessório foi desenvolvido  para que seja associado a uma simples placa ou expansor e objetiva substituir o hábito de sucção pela sucção do “mamilo”.

Após alguns meses da substituição do hábito primário, começamos a diminuir o tamanho do mamilo e em poucos meses removemos o aparelho e o hábito.

Normalmente, as coisas simples são as mais eficientes. Neste caso, quase 100% eficiente e sem traumas.

 

Pedro Pileggi Vinha

Colaboração: Sheila Marques Inamassu Lemes

Maiores informações, clique aqui para ir até a biblioteca do NEOM e baixar um artigo publicado.