Relação entre mandíbula e coluna cervical

Tudo indica que existe uma intima relação entre comprimento mandibular e a curvatura da coluna cervical.

Estudos demonstram que indivíduos com um menor comprimento mandibular (classe II esquelética) apresenta um aumento da curvatura cervical e consequentemente, aumento das outras curvaturas da coluna.

O contrario também é verdade. Pessoas com um maior comprimento da mandíbula (classe III esquelética) tendem a ter uma retificação cervical.

Nestes casos, o aumento ou a retificação da coluna cervical, pode gerar a longo prazo dores localizadas ou pinçamentos (desgastes ósseos acentuados ou bloqueios articulares), diminuindo a qualidade de vida destes indivíduos.

cervicalgiaO dentista é fundamental neste tratamento, pois ele pode controlar o crescimento mandibular, seja para estimulá-lo ou freá-lo, resultando em um crescimento equilibrado e provavelmente uma correção ou melhora da coluna, isso se feito em uma época oportuna, ou seja, o mais cedo possível e muitas vezes, ainda em dentição decícua. Neste caso, a Ortopedia Funcional dos Maxilares é imprescindível.

Aguardar a troca dos dentes para tratar com aparelhos fixos pode ratificar a deformação na coluna, perpetuando o problema.

Extrações dentárias em pacientes classe II, significa corrigir dentes e manter a mandíbula pequena, mantendo a acentuada curvatura cervical e  deixando de lado a saúde geral do paciente.

Às vezes pode parecer que o caminho mais seguro é seguir o protocolo que é usualmente empregado.

Mas e se esse paciente fosse o seu filho, qual seria a sua escolha?

 

Dr. Pedro Pileggi Vinha