Monthly Archives: junho 2014

Eu não acredito em Ortopedia Funcional

Já ouvi muitos dizerem:

Ortopedia Funcional“Eu não acredito em Ortopedia Funcional”

“Já usei na minha clínica e sempre é a mesma história”

“Aparelhos móveis os pais não gostam e as crianças não usam. Quando dá algum resultado, a recidiva vem logo em seguida quando se descontinua o uso”

“Não funciona em adultos”

Sei que é bem ridículo, mas estes argumentos soam como algum leigo com “muita experiência” que chega à conclusão que  UM COMPRIMIDO de antibiótico parece não ser tão bom para dor de dente, pois já tentou e não deu certo.

A Ortopedia funcional é uma ciência que sempre deve levar em conta outras técnicas como Ortodontia e a Cirurgia, e estas duas também têm que enxergar a Ortopedia pelo bem da saúde do paciente.

Imagine um profissional maldizendo a Ortodontia porque a mesma não alcança objetivos satisfatórios, pois quando ele a usa em pacientes com uma mandíbula exageradamente grande em relação à maxila o resultado normalmente é ruim.   Ela não é feita para ser usada assim!

Para usar as técnicas funcionais primeiro temos que conhecer não os aparelhos, mas o que é a função, conhecer a fisiologia do sistema e a partir disto estabelecer objetivos da nossa terapia, e finalmente os meios para conseguir isto.

Colocando em termos odontológicos:

Correto diagnóstico, correto prognóstico, correto plano de tratamento. E ter capacitação para conduzir o tratamento, pois ainda não foi inventado um aparelho que faça tudo sozinho.

Por isto devemos entender de Ortodontia, de Ortopedia e até de Cirurgia, o suficiente para saber as vantagens e os limites de cada uma.

 Não revendemos aparelhos que compramos de protéticos!

 

Continue Reading

Ronco também pode matar!

Aparelhos intra-orais pré-fabricados para ronco, sem prescrição odontológica, deveriam ser proibidos.

Trabalho a aproximadamente 20 anos com ronco e a síndrome da apneia do sono (SAOS) e ainda não me acostumei com colegas dentistas que instalam aparelho só para ronco.  Pior ainda quando vejo propaganda de aparelhos pré-fabricados em revistas leigas (não científicas), que são vendidos livremente pela internet.

no ronco trabalhado

Aparelho pré-fabrico para ron

nariz trabalhbado

Estimulador nasal para inibição de ronco

Isso sem falar nos anéis, pulseiras e os curiosos clipes nasais para o tratamento do ronco.

A minha indignação acontece porque o ronco, na maioria das vezes, esconde uma doença muito mais importante, que é a apneia do sono.

A parada respiratória durante o sono (característica da SAOS) pode acarretar em diversas comorbidades, entre elas o infarto do miocárdio, AVC, hipertensão, diabetes, depressão, déficits cognitivos entre tantos outros, e tratar apenas o ronco sem se certificar que a apneia está sobre controle, significa subtratar, correndo o risco de mascarar um problema maior.

Claro que existem indivíduos que apenas roncam e não tem apneia do sono (conhecido como ronco primário), mas é fundamental que tenhamos certeza disso. Por isso, é “obrigatório” que o indivíduo com queixa de ronco faça uma polissonografia e seja devidamente avaliado por um dentista ou médico.

Caso o problema seja só ronco, o aparelho pré-fabricado pode ser indicado. Caso não, um aparelho individualizado de ser feito (os aparelhos individualizados são comprovadamente mais eficientes que os pré-fabricados) e uma polissonografia final deve ser solicitada confirmando a redução significativa das paradas respiratórias durante o sono.

Uma analogia simples seria fazer uma restauração de resina sobre um dente cariado. Por fora pode ficar perfeito, mas é uma questão de tempo esta cárie evoluir até que seja necessário um tratamento de canal.

Remover todo o tecido cariado antes da restauração é o mínimo que se espera de um bom dentista.

Solicitar uma polissonografia antes de tratar um ronco, também.

 

Continue Reading